Últimos Artigos

Criação do Tenébrio molitor Leia mais...
Grilo Preto Leia mais...
Barata Cinérea Leia mais...

Últimas Dicas

03
set
Introduzindo o Tenébrio Desidratado Leia mais...
12
jul
Seu Pássaro Não Come Farinhada? Leia mais...
11
jul
Instalação – Noções Básicas Leia mais...

Insetos na Alimentação

05/07/2013

O que são insetos?

Os insetos são, em razão do número de espécies, simplesmente a forma dominante de vida na Terra. Existe em torno de 1 milhão de espécies de insetos catalogadas, e uma estimativa de que hajam pelo menos mais 5 milhões a serem descritas. Apenas as espécies de coleópteros (besouros), superam o numero de vertebrados existentes (aves, mamíferos, répteis, peixes e anfíbios). Insetos possuem o corpo dividido em 3 partes bem definidas (cabeça, tórax e abdômen), 3 pares de patas, tamanho diminuto e um esqueleto externo, denominado exoesqueleto.

Inseto é alimento?

O fantástico número de espécies de insetos e a diversidade dos ambientes que ocupam indica que se trata de uma importante fonte de nutrientes para muitos animais terrestres e aquáticos. Os insetos têm grande importância ecológica, podendo-se destacar o fato de serem os principais polinizadores, decompositores de matéria orgânica, e por servirem de alimento a outros invertebrados e a uma grande quantidade de vertebrados tais como pássaros, lagartos, sapos, peixes e macacos.

Insetos contem toxinas e patógenos?

Hoje conhecemos cerca de 1500 espécies de insetos comestiveis. Dessas espécies, são encontradas no Brasil para uso regular na alimentação animal basicamente 6 insetos: Tenebrio comum, Tenebrio gigante, Mosca domestica, Grilo preto, Barata cinerea e o Bicho da seda. Essas espécies não possuem nenhum fator anti-nutricional, e representam uma excelente fonte de saúde. Porém, assim como se recomenda na utilização de qualquer outro alimento, é preciso se assegurar sobre a origem do produto e a forma de conservação.

Seja vivo ou desidratado, é inquestionavel a necessidade de que sejam observados padrões rigorosos de sanidade, desde o ovo até o inseto em ponto de consumo. De fato, insetos mantidos em alimentos estragados, sem rotinas frequentes de limpeza ou em contato com fontes de contaminação (roedores, poluição, produtos quimicos,…) realmente podem se tornar portadores de toxinas e patogenos, tanto para o criador quanto para os seus animais.

A Quitina presente no exoesqueleto é tóxica?

Quitina é o principal componente do exoesqueleto dos insetos. É um carboidrato, não é tóxico, além de ser um polímero biodegradável. É a mais abundante fibra de ocorrência natural depois da celulose. Apesar da baixa digestibilidade da quitina, esta, assim como a celulose, exerce função importante no controle da taxa de passagem do bolo alimentar, nos vários compartimentos do trato digestório. A presença de fibras na moela da ave pode melhorar o aproveitamento do amido pela redução da velocidade de passagem nesse compartimento e intestino delgado.

A Quitina é indigestível?

Apesar da digestão de quitina ser limitada na maioria das aves, na presença constante desse elemento na dieta, é possível se alcançar uma taxa relativamente boa de digestão pela seleção na flora intestinal de mircrorganismos capazes de produzir quitinase. O substrato selecionando a flora intestinal. E esses microrganismos benéficos, transferidas pelos pais junto com a regurgitação de alimento aos ninhegos, auxiliarão no povoamento do trato digestório recém-formado, “habilitando-o” para ingerir insetos. Insetívoros e Onívoros produzem quitinase.

Quais espécies de aves comem insetos ?

Talvez a melhor pergunta seja quais espécies de aves não comem insetos? Existem aquelas em que insetos são a base da alimentação, como as andorinhas e os pica-paus. Temos os granívoros, que em sua maioria, pelo menos na época de reprodução, consomem insetos com voracidade. Mesmo nossos psitacideos, tradicionalmente conhecidos como comedores de sementes e frutas, consomem significativas quantidades de insetos que habitam esses alimentos.

Podemos dizer que mesmo aquelas espécies mantidas a séculos em cativeiro, como o canário de cor e o periquito ingles, originalmente tiveram insetos na dieta em ambiente natural, sendo esperado um incremento na saúde nutricional quando insetos forem fornecidos em quantidades adequadas.

Porque comer insetos é saudável?

Insetos contêm nutrientes essenciais a vida da ave, e de uma forma facilmente absorvivel pelo organismo.

Animais com uma saúde nutricional adeaquada são mais ativos, e apresentam menor sucetibilidade ao desenvolvimento de doenças comparado a aqueles desnutridos. Enfim, alimento saudável viabilizando um corpo saudável, sendo a primeira linha de defesa contra doenças.

Mesmo a auto-mutitação descrita em várias espécies de psitacídeos em muitos casos esta associada a baixa digestibilidade da proteina usada na dieta; e em outros a monotonia em cativeiro: para as 2 situações insetos comestiveis serão uma excelente alternativa.

Todo inseto possui a mesma composição nutricional?

Não. A composição nutricional dos insetos varia significativamente, conforme a espécie, o tipo de alimento que recebeu durante o desenvolvimento e o estágio de vida (ovo, larva, ninfa, pupa e adulto).

 

Tabelas de analise nutricional (Insetos Comestíveis Vivos) 

 

Umidade
(%)

Proteína
bruta (%)

Extrato
etéreo (%)

Fibras
(%)

Cinzas
(%)

Calcio
(%)

Fósforo
(%)

Tenebrio Comum

59,14

18,72

20,08

7,61

1,03

0,05

0,28

Tenebrio Gigante

62,26

17,24

15,23

7,42

1,04

0,07

0,21

Grilo Preto

68,06

16,47

9,65

10,59

1,42

0,15

0,23

Barata Cinérea

68,42

20,17

10,60

15,58

1,40

0,14

0,25

Mosca Domestica

75,26

13,92

5,12

8,61

1,08

0,09

0,24

                              * Fonte: Laboratório Hidrocepe – Belo Horizonte/MG (produtos Nutrinsecta)

Tabela de Análise Nutricional (Insetos Comestíveis Desidratados)

 

Umidade
(%)

Proteína
bruta (%)

Extrato
etéreo (%)

Fibras
(%)

Cinzas
(%)

Calcio
(%)

Fósforo
(%)

Tenebrio Comum

3,71

47,41

35,83

6,45

3,20

0,07

0,52

Tenebrio Gigante

1,94

44,03

40,32

8,00

3,21

0,12

0,53

Grilo Preto

7,22

48,76

31,50

7,99

4,43

0,19

0,66

Barata Cinérea

6,07

60,39

21,48

6,92

5,16

0,13

0,56

Mosca Domestica

6,82

50,25

31,78

6,93

4,65

0,39

1,05

                                  * Fonte: Laboratório Hidrocepe – Belo Horizonte/MG (produtos Nutrinsecta)

Qual a melhor fase do insetos para consumo?

A fase larval é a mais indicada para consumo, no caso de insetos de metamorfose completa (ovo-larva-pupa-adulto) como o Tenébrio gigante, Tenebrio comum e Mosca. No caso de insetos com metamorfose incompleta (ovo-ninfa-adulto) como o grilo preto e a barata, a fase de ninfa apresenta maior digestibilidade e menor nível de quitina.

Como fornecer insetos?

Insetos comestíveis podem ser fornecidos vivos ou desidratados.Na forma desidratada podem ser oferecidos inteiros, fragmentados, moídos ou reidratados, conforme as preferências e hábito alimentar.

É importante lembrar que esse alimento deverá ser incorporado a dieta, ou seja, deve ser consumido junto com os demais ingredientes.

Não é recomendável deixar insetos para consumo ad libitum, pois o consume exagerado pode provocar impactação.

Não permita que o pássaro faça ingestão de insetos grande e pontiagudos, que possam causar danos. O tamanho do inseto deve ser proporcional a capacidade de apreensão de deglutição da ave.

A processo de desidratação altera o valor nutricional do inseto?

Desidratação é a tecnologia de secagem que constitui na remoção da água através de sua evaporação, pela passagem do ar quente e seco sob pressão atmosférica.

Este processo garante a estabilidade microbiológica, aumento de shelf life, facilita o armazenamento e permite o transporte do produto sob temperatura ambiente.

Devido ao aquecimento ocorre uma pequena perda de vitaminas e proteínas durante a desidratação. Por outro lado, o aquecimento também disponibiliza proteínas e vitaminas entre outros nutrientes, sendo uma das formas mais eficientes de se conservar alimentos de origem animal sem a adição de conservantes.

Quanto inseto desidratado devo incluir na dieta?

De forma geral recomenda-se a inclusão de 5-10% de insetos desidratados para complementação da dieta de aves. Na época de reprodução até 15% desse alimento.

Porém, esse limite de inclusão esta intimamente relacionado ao habito alimentar da ave, e modificações deverão ser realizadas considerando esse fator.

Existem empresas especializadas em insetos comestíveis?

Ainda encontra-se em fase inicial no Brasil, mas em muitos Países da Europa, EUA e China as biofábricas de insetos são reconhecidas como de alta importancia para viabilizar o manejo em cativeiro de milhões de animais, não só pelo alimento que produzem, mas por permitirem que o criador tenha mais tempo para se dedicar ao seu animal, ao realizarem de forma profissional e eficiente a criação de insetos.

Hoje temos no Brasil produções certificadas pelo MAPA, e a tendência de expanção no setor é grande nos próximos anos.

Já existem rações com insetos?

Insetos desidratados são incluídos em rações comerciais para aves de diversas formas.

Podem ser transformados em farinha e incluídos na farinhada e na papinha. Também na forma moída, podem ser incluídos na mistura a ser extrusada.

Na forma inteira, tem sido incluídos na mistura de sementes. Inteiros também são incluídos na ração universal, que inclui frutas cristalizadas, pellets, entre outros ingredientes.

Existe ainda a forma fragmentada de utilização, onde pedaços de insetos são incrustados em pellets de ração junto com outros ingredientes integrais, formando um alimento com diferentes texturas, sabores, aromas e cores.

Gilberto Schickler